Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2005

Plano Estratégico Nacional de Prevenção e Controlo da Hepatite C

Foi publicado na edição de Janeiro da Revista da Ordem dos Médicos, um excelente artigo de autoria do Prof. Rui Tato Marinho intitulado "Plano Estratégico Nacional de Prevenção e Controlo da Hepatite C". Recomendo vivamente a leitura do artigo, pois além de ser bastante esclarecedor no que diz respeito ao que é a Hepatite C e quais as suas consequências ao nivel pessoal e social, aponta para a necessidade urgente de se delinear uma estratégia ao mais alto nível para o combate à doença, em Portugal. Ao final do artigo, que reproduzi na íntegra, coloquei um pequeno comentário de minha autoria. Recomendo, repito, a leitura deste artigo e sugiro que enviem comentários, caso os considerem pertinentes, para o e-mail mailto:hepatitec@netcabo.pt


Para ler o artigo e o comentário, clique no link abaixo:


http://www.valneto.com/hepatitecinfo14.htm


 

Aproveito o ensejo para relembrar a todos a reunião do nosso Grupo de Apoio no dia 19 de Feveriro, por volta das 17:30 hs, em Lisboa . ( ver o antepenultimo artigo publicado no Blog )
publicado por ValNeto às 09:04

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 11:56
Também estou de acordo em não estar de acordo com a taxa avançada para a transmissão sexual. Está provado que o VHC não está presente nas secreções vaginais ou no esperma, só estando presente no sangue. Portanto, a transmissão do VHC por via sexual é rara e implica a presença de sangue (micro-fissuras, menstruação...)
Há que ter cuidado com o que se diz e como se diz para evitar "medos irracionais".

É claro que o "coordenador hepatite C" não tem forçosamente que ser um toxicodependente...
MartaMarta
</a>
(mailto:mamkf@hotmail.com)
De Anónimo a 18 de Fevereiro de 2005 às 18:52
Acabei agora mesmo de ler o artigo. de facto, tb acho exagerada a
percentagem que indicam da transmissão por via sexual. O que já tenho lido é
que é de apenas 2-5%. Penso que, por vezes, são estes pequenos pormenores
que fazem diferença na transmição de informação. Contudo, não quero fazer
disto´1 bicho de 7cabeças, n é um erro mt grave. pior é de facto a falta de
informção dada às pessoas e de facto, achei que o artigo tinha pontos chave
para o sucesso do combate à VHC.
Acho que estão descriminados pontos essenciais do que tem de ser feito...e o
mais rápido possível. O nr de infectados cresce (até vejo isso quando vou às
consultas, o nr de doentes é maior) e se calhar a culpa é mesmo dos que não
querem apoiar estas iniciativas de apoio aos doentes.
Enfim, a sociedade é assim e vamos FAZER algo para mudar alguma coisa.
Tania
</a>
(mailto:)

Comentar post