Quinta-feira, 11 de Novembro de 2004

Depoimento 18: a Hepatite C pode ser transmitida de mãe para filho ?

«Em 1º lugar quero dar os parabéns por este magnifico blog. É muito importante para nós portadores de VHC podermos ler testemunhos e ter alguém com quem desabafar.
Fui consumidora de drogas há uns anos atrás e como é típico em consumidores, achava-me uma heroína e que nada me poderia abalar, o meu percurso de vida nessa altura foi então muito.....miserável como deve calcular.
Nessa altura deparei-me com a morte da minha mãe, o que me levou e "enterrar-me" cada vez mais no vício, uns anos mais tarde foi a morte do meu namorado, só que dessa vez resolvi por um termo à tortura que estava a ser a minha vida, entrando num centro de recuperação.
Tinha finalmente encontrado uma solução para a minha vida, e como recompensa Deus pôs no meu caminho a pessoa que hoje é o meu marido.
Conhecemo-nos no centro e lá permanecemos durante 1 ano e uns meses, até que resolvemos enfrentar o desafio de estarmos à frente de uma associação de reinserção social.
Entretanto casamos e continuamos a lutar incansavelmente por este sonho de levar esta associação mais além....é uma luta diária mas que trás muito gozo às nossas vidas e o mais importante de tudo é saber que estamos a ajudar pessoas que assim como nós, um dia tiveram a infelicidade de conhecer as drogas.
Entretanto aconteceu o que eu e o meu marido mais desejavamos na vida: eu ia ter um filho.
Foi então numa consulta de rotina que descobri ser portadora de VHC, fiquei em estado de pânico quando me disseram que o meu bébé tinha 6% de probabilidades de ser portador do vírus....
O Ismael (é assim que se chama o meu bébé) tem hoje 1 mês e duas semanas, nasceu saudável e estamos à espera do resultado das análises, enquanto que eu fiz esta semena uma biópsia para então em Janeiro começar o tratamento.
A minha maior preocupação neste momento é o meu bébé, mais não sei explicar porquê, mas invadiu-me uma esperança muito grande que o meu filho não vai ter nada.
Para mim maior dor que ter VHC é o meu filho poder ter....não quero nem pensar que ele pode vir a sofrer as consequências dos meus erros passados......não seria justo.....Sou uma pessoa com muita fé, o que me leva a caminhar confiante no futuro.
Sei que vão vir momentos difíceis com o tratamento, mas mesmo esses vão ter que ser vividos com serenidade para que nada afecte o bem estar e felicidade do meu pequeno príncipe!
Ele é a razão do meu viver e vou lutar para estar sempre presente na sua vida......Estou confiante na medicina e sempre em Deus.
Quero dizer a todos aqueles que sofrem deste e de outros problemas que a solução para tudo está sempre dentro de nós mesmos.....Força!!!!!!!!!!»

MiNHA RESPOSTA : vou reproduzir aqui o capítulo 10 ( pag.26) do livro "120 perguntas sobre a Hepatite C" da editora Quimera.

«A transmissão do vírus da Hepatite C da mãe para o bebé é rara, salvo nos casos particulares de uma infecção associada ao vírus da SIDA, e acontece provavelmente no momento do parto. Ainda que rara, a transmissão do vírus da Hepatite C de mãe para filho é possível: Calcula-se que sejam cerca de 50 as transmissões materno-infantis anualmente em Portugal. O risco é considerado nulo a partir do momento em que o teste de RNA da Hepatite C da mãe seja negativo. O risco é de 1% a 3% se o RNA for positivo, e até 5% se o vírus estiver presente em grande quantidade ( carga vírica elevada ).
Visto que a transmissão se faz provavelmente através do sangue, é de encorajar tudo o que se possa fazer para tornar o parto menos traumático. Não está provado que a cesariana reduza o risco de transmissão.
A presença de anticorpos anti-VHC no recém nascido não significa que este esteja infectado. Trata-se, em geral, de anticorpos da mãe que desaparecem ao fim de alguns meses. Só a presença de RNA vírico (investigado por amplificação do genoma, ou Polymerase Chain Reaction, PCR ) o que significa que o recém-nascido está infectado. Em geral, aconselha-se a não multiplicar as colheitas de sangue e a esperar mais de um ano ( cerca de 15 meses ) antes de pesquisar a presença de vírus na criança ( através da determinação do RNA-VHC qualitativo ).
A Hepatite C nos recém-nascidos não tem gravidade imediata, nem a curto , nem a médio prazo. Se a criança estiver contaminada, a Hepatite é totalmente assintomática e, segundo os conhecimentos recentes, parece ter um desenvolvimento lento. Por fim, nunca se provou que o vírus da Hepatite C possa ser transmitido pelo leite materno. Portanto, o aleitamento materno não está, de modo nenhum, contra-indicado.»

Como vê, não há motivo para alarme com relação ao seu "Pequeno Príncipe" ! Cuide entretanto da sua própria saúde, pois você é muito importante para ele ! Qualquer dúvida, escreva-nos. Mantenha contacto com o Blog.

Força !

Val Neto

Ps: Se a autora do depoimento acima puder, agradeço que me envie o seu e-mail pois não consegui contactá-la em privado, uma vez que o e-mail fornecido parece conter algum erro e me é devolvido.
publicado por ValNeto às 16:30

link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 20 de Novembro de 2004 às 12:19
Para Carlão
Em 1º lugar quero agradeçer-te pela força e pelas palavras de incentivo,é muito confortante haver pessoas a apoiar-me.
Em 2º lugar,dar-te os parabéns por seres uma pessoa que se interessa por estas causas.....infelizmente há poucas,mas apenas uma já faz toda a importancia para nós.
Vou-te deixar a morada da associação se um dia nos quiseres conhecer: rua auta da palma carlos lote 40 r/ch sacavem (em frente ás finanças)sónia jacinto
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 17 de Novembro de 2004 às 16:31
sonia jacinto 91 240 73 36
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 16 de Novembro de 2004 às 15:02
Acho que não me expliquei bem...gostaria que a mãe do Ismael me contactasse.

Obrigadoeuzinha
</a>
(mailto:cjess@sapo.pt)
De Anónimo a 16 de Novembro de 2004 às 14:59
olá gostaria muito que me contactasses...!!!!euzinha
</a>
(mailto:cjess@sapo.pt)
De Anónimo a 15 de Novembro de 2004 às 00:15
Boa noite para todos, achei este mail positivo pois quem o escreveu tem uma força incrível.
Começa por descrever o percurso dela e do marido com grande à vontade o que na minha opinião e revelador da sua atitude directa e frontal e depois o facto também trabalharem em prol de essa causa tão problemática.
E acho que todas as pessoas com HVC mesmo as não infectadas com drogas deviam estar atentas à força de vontade deste casal e preocupação com o pequeno rebento e fazer deste e de tantos outros exemplos, razões suplementares para a união e luta para a criação de um grupo de apoio.
Gostava também de dizer ao casal que se a mulher iniciar o tratamento em Janeiro que contem o meu apoio (dentro das possibilidades) pois este tratamento ás vezes provocas alguns efeitos indesejáveis.
Mas tudo vai com certeza correr bem, muita calma e Força.
Abraço, carlao.
carlao
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 13 de Novembro de 2004 às 12:57
sonia jacinto
despertar_lisboa@hotmail.com
91 2407336
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 18:34
Olá Andreia

A Hepatite C é grave e pode ser mortal, se não for descoberta e tratada. O seu parente teve a sorte de descobrir ( a maioria dos portadores não o sabe, pois a doença geralmente não apresenta sintomas ).

Agora há que aguardar calmamente pelo resultado da biópsia, para que seja feita uma avaliação correcta dos possíveis danos causados ao fígado. Pode ser mesmo que não hajam danos. O virus não prejudica o fígado de uma hora para outra. A sua acção pode ser lenta ( pode demorar até 30 anos para agir sobre o fígado ). Quanto mais jovem for a pessoa mais hipóteses terá de cura ou de controlo da doença, em condições de vida praticamente normais. Ele deve se afastar completamente do alcool e drogas pesadas, se for o caso. Deve também seguir as orientações de um especialista ( gastroenterologista ou hepatologista ) de preferência com experiência no tratamento de outros doentes.

Caso tenha mais dúvidas, contacte-nos
Val Neto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 12 de Novembro de 2004 às 17:51
Ola, tenho uma pessoa na minha familia q descobrir q tem hepatite c e o virus dele é dos mais graves. vai fazer agora uma biopsia. mas fiquei curiosa e keria saber mais, keria saber se é mortal, quais as possibilidades dele, etc..?? obrigada. beijinhos.Andreia
</a>
(mailto:andrye@sapo.pt)

Comentar post