Terça-feira, 26 de Outubro de 2004

Depoimento 11: Minha mãe , de 71 anos, tem Hepatite C

«Tenho a minha mãe de 71 anos com um hepatocarcinoma, hepatite c, e com
problema do coração. Estou bastante preocupada com o estado clínico dela.
Está hospitalizada e está muito grave. Tinha os pés inflamados e agora está o
corpo todo a inflamar. Os médicos não me dão esperanças mas, quero um
conselho.

Outro ponto nos útimos 7 meses após falecimento do meu pai. É claro que não
a podia deixar viver sozinha num 3º andar, e ficou comigo mas a doença só
foi detectada em Junho. Será que todos em casa terão de fazer um rastreio ?

Voltando ao caso da minha mãe, notei que para a hepatite, os médicos não
estão a dar nada. Está a tomar apenas o folicil, captopril,
furosemida-ratiopharm,tramdol ou tramal (quando as dores são fortes) e o
primperam quando tem vômitos. Perguntei porque não davam nada para a hepatite e
disseram-me que não se dá nada.

Depois de ter lido o vosso artigo, no CM, achei que poderiam ajudar-me por
favor é urgente e importante a vossa resposta e conselho. Obrigado pela
atenção que irão pestar às minhas preocupações e perguntas.»


RESPOSTA:

No que diz respeito ao internamento hospitalar o único conselho que eu posso dar (sou um leigo portador do vírus) é que tenha confiança nos médicos e muita fé. Se tem dúvidas com relação à não administração de medicamentos específicos para a Hepatite C, consulte um médico especialista ( gastroenterolgista ou hepatologista). Faço já um apelo para algum médico que eventualmente nos leia para que nos dê alguma indicação.

No que diz respeito à convivência directa que tiveram nos últimos 7 meses o que posso lhe dizer é que a hepatite C só se transmite pelo sangue. Alguém que tenha uma pequena ferida aberta, por exemplo, ao tocar no sangue contaminado pode eventualmente ser contagiada. Uma pequena gotícula de sangue pode ser o veículo da transmissão.O consenso geral diz que os familiares em contacto directo com os pacientes devem ser rastreados, por uma mera questão de precaução. A minha opinião pessoal é que devemos jogar pelo seguro ou seja, façam o rastreio. A probabilidade de terem sido contaminados anteriormente ao contacto com ela também existe, não é verdade ? Ou seja: as probabilidades são mínimas, mas existem. Quantas vezes vamos aos dentistas, manicures, compartilhamos aparelhos de barbear ou depilar, etc...? Enfim...muitos portadores do vírus não têm certeza da forma como foram contaminados. As probabilidades são mínimas, mas existem.

Desejo melhoras para a sua mãe e para você muita força !

Val Neto

publicado por ValNeto às 13:57

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 31 de Outubro de 2004 às 19:54
Apenas um comentário, sem caracter científico. Acredito que qualquer tratamento ou até mesmo um transplante de fígado, só poderá ser realizado após o coração estar em funcionamento satisfatório.Quanto a possibilidade de contaminação dos familiares acredito ser inexistente.
Com a graça de DEUS.Abraços.Gilberto
</a>
(mailto:fisioterapia@walla.com)
De Anónimo a 26 de Outubro de 2004 às 18:24
Boas
Quando a tua mãe espero que melhore.
Desde já convem que ela se restabeleça desse estado clinico para depois se pensar numa avaliação quanto a Hepatite C que como os medicos te diseram não podem dar nada pois ainda não há nada que se possa tomar como medicação dita normal.
O que há é um tratamento e para tal é necessario consultar um medico de gastro de preferencia com a especialidade de hepatologia para este fazer uma avaliação do estado do figado e saber se pode dar entrada num tratamento destes mas este tratamento tem bastantes contra indicações quer para se poder começar ou os proprios efeitos secundarios do tratamento (pois este é pastante problematico para o organismo pois existem diversas alterações no sangue em pouco tempo para alem dos outros efeitos colaterais do tratamento).

Quanto a convivencia durante estes 7 meses é como o Val falou mas só para ficares descansada convem fazer (eu no meu caso descobri por acaso sou mais um do acaso que não sabe como a apanhei mas felizmente soube que a tenho) alias este virus tem a particularidade de ser bastante resistente 72 horas fora do organismo e ele começa a morrer (o caso do hiv o virus morre passado 5 minutos) mas convem fazer o chamado tempo de encobação caso tenha existido contagio não me lembro de são 1,3 ou 6 meses esperemos que não seja esse o caso.

Devido as formas de contagio qualquer pessoa que esteja no chamado grupo de risco devia fazer (se recebeu transfusões de sangue, passou por transplantes ou cirurgias, pacientes em hemodiálises e diálises, usuários e ex-usuários de drogas injetáveis e aspiradas (os canudos se contaminam com o sangue do nariz!!), mesmo que tenha sido algumas vezes, há muitos anos atrás,
profissionais da saúde publica e de segurança publica, médicos, dentistas, enfermeiros, bombeiros, policias, crianças nascidas de mães portadoras de HCV – apesar da transmissão vertical (de mãe para filho) ser menor do que 5%.
Pessoas de vida sexual ativa, ou que mantém relações com múltiplos parceiros ou parceiros não estáveis, pessoas com tatuagem ou piercings)
o ideal seria mesmo toda a população mas isso traria enormes problemas para o estado quer no rombo financeiro pois tratar os ditos 150 mil(estes são os que conhecem pois este valor é baixo tento em conta o estilo de vida da população portuguesa em geral) traria custos que arrombavam completamente o chamado defice pois o tratamento é bastante caro e não é 100% eficaz mas é o que há por agora e já é bom existir qualquer coisa pois há tanta doença ainda sem sequer medicamentos ou tratamentos para a combater.

Força e as melhoras da tua mãe. Nuno
</a>
(mailto:Godnh@hotmail.com)

Comentar post