Sábado, 11 de Setembro de 2004

Depoimento 6: "Não sei como me infectei e quero saber as minhas hipóteses de cura"

Tenho recebido muitos e-mails, os quais só publico  com autorização de quem os envia e omitindo a identificação sempre que me é solicitado. Tenho tido o cuidado de, na medida do possível, responder em público a alguns e a todos em privado. Se publico aqui alguns é porque os considero importantes para que as pessoas saibam o que se passa com quem enfrenta a Hepatite C. Passo transcrever mais um desses casos:


"Sou brasileiro, e quero parabenizá-lo pelo blog. Tenho 20 anos, e há cerca de 1 mês descobri que tenho hepatite C. Estou para fazer  a biópsia e me tratar. O que é mais curioso é que eu não me enquadro em nenhum grupo de risco, parece que essa doença foi plantada em mim. Transas sem camisinha, nunca, drogas, nunca, transfusão, nunca. Já que escrevo pra ti e você já foi infectado pela doença, gostaria de fazer uma pergunta, e, caso você saiba a resposta, lhe peço que seja sincero. Tenho o tipo 1 a, carga viral de aprox. 4.000.000UI/ml. Acho que em minha vantagem só o facto de eu ser uma pessoa muito saudável. Se puder me responder, sobre as minhas chances de recuperação, agradeço a contribuição. Já consulto um médico, mas receio que ele não seja claro quanto aos meus prognósticos no futuro para me poupar. Sei eu o tipo 1 é o pior. Se quiser utilizar a minha história para alertar do risco da hepatite C mesmo em quem nunca imagina ter a doença ou não se enquadra nos grupos de risco, só peço que não divulgue meu e-mail. Grato!"


MINHA RESPOSTA:


Obrigado pelas palavras de incentivo.
 
Descobrir uma coisa dessas não é agradável para ninguém e eu sei disso muito bem. Entratanto, podes considerar-te um homem de sorte, pois milhares de pessoas no Brasil, aqui em Portugal e no mundo estão contaminadas e não sabem. Você sabe e por isso pode tratar-se com boas possibilidades de cura sustentada.
 
Eu também não faço a mínima ideia de como me contaminei e também não tenho os chamados "comportamentos de risco". Extracções dentárias anteriores a 1982 são a causa que eu considero mais provável. Já desconfiei de aparelhos de barbear descartáveis, mulheres c/gengivite ou em período menstrual (já fui casado 3 vezes, sou heterosexual e monogâmico), enfim uma série de hipóteses e cheguei à conclusão de que nunca vou ter a certeza. Por isso não vale a pena pensar nisso, no meu caso.
Penso que no seu também.


O importante agora é concentrar-te na cura, seguir o tratamento sob orientação de um médico especialista (hepatologista, gastroenterolgista ou infecciologista) de preferência com experiência em outros casos de hepatite C, Recomendo que mantenhas uma atitude positiva, que mantenha-se informado sobre tudo o que tenha a ver com o vírus e a doença, pois muita coisa ainda está sendo descoberta, acompanhada, pesquisada e desenvolvida em termos de tratamentos, terapias e mesmo legislação, a nível mundial. Para isso é importante um Grupo de Apoio. Não hesite em procurar ajuda de qualquer tipo com um deles. No  Brasil existe o Grupo Otimismo, um dos melhores do mundo. Obtenha informações na página deles em www.hepato.com . Há inclusive um fórum on-line nessa página,  no qual podes colocar essa tua pergunta sobre a tua carga viral que depois eles te respodem. Como sabes sou, leigo e não gosto de falar sobre o que eu não tenho certeza, e nesse momento não saberia dizer-te se a carga viral que referiste é alta, baixa e nem mesmo se isso tem muita , pouca ou alguma relevância.  Que o facto de seres jovem e saudável tem grande importância no tratamento, isso é certinho !
 
Apareça sempre que quiser. Um grande abraço e muita força!
 
Val Neto


 

publicado por ValNeto às 02:25

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Anónimo a 24 de Janeiro de 2005 às 18:31
ola.espero ke ainda haja alguem ke visite este blog.Ja tou desesperada porque não consigo falar com ninguem em lado nenhum...
parece ke tenho um compatriota aki :) obrigada pela informação, tb n sei como me infectei, tou a meio do tratamento, com muitos efeitos secundarios (fisicas, psicologicas alem das alterações hemodinâmicas - anemia, plaquetas, leucocitos...)meu medico reduziu-me a dose e agora tenho medo de não ficar 100% curada...
é dificil viver com o medo de contagiar outras pessoas e com a discriminação a que ja estive sujeita algumas vezes, por descobrirem o que eu tinha.
Já agora,gostava de saber se ha alguma associação EM PORTUGAL, não no brasil, onde a gente pudesse ir de vez em quando, nem que fosse apenas para falar, porque isto de falar pela net sem ver as pessoas, n é a mesma coisa.se alguem souber, mandem-me o endereço sim?obrigada!pessoal, vão dando noticias, é bom saber que não sou a única...algarvia
</a>
(mailto:salsixa_nobre@hotmail.com)
De Anónimo a 12 de Setembro de 2004 às 09:42
Grato Algarvio, grato Val Neto
Eu realmente sou brasileiro. Mas creio que estou bem assessorado de médico, pois, além de ele ser de um dos hospitais de ponta de São Paulo, já tratou e curou uma cohecida com hepatite C. No mmomento estou esperando a realização da biópsia e por isso estou ansioso. No entanto as funções de meu fígado estão normais ainda. E as transaminases, que em 1 primeiro exame estavam razoavelmente elevadas, no ultimo estavam quase normais. Esses dados levam a crer que estou entrando na crônica, mas nunca c pode ter certeza. Dentro de 1 mês eu devo começar o tratamento, e os manterei informados. É bom contar com a ajuda de pessoas que já passaram por isso, mesmo distantes.Brasileiro
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 12 de Setembro de 2004 às 03:20
Obrigado Fernando pela divulgação do blog Hepatite C. Aproveito para recomendar aos nossos leitores uma visitnha ao teu blog, o alfamalinda. Alfama é mesmo linda e a idéia do blog muito boa!Val Neto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 11 de Setembro de 2004 às 23:15
É muito importante este seu Blog, pelo que ele significa, na partilha de informações sobre uma das pragas que mais afligem a Humanidade.

Para além das medidas preventivas que cada pessoa deve ter a iniciativa de tomar, compete ao Estado, zelar pela saúde dos seus cidadãos, promovendo, rastreios, principalmente em locais que potenciem situações de risco, campanhas de informação, através dos meios de comunicação social, com especial destaque pelos Canais de Televisão, públicos e privados.

Tive conhecimento do seu Blog através de uma visita referenciada num dos meus:

http://alfamalinda.weblogger.terra.com.br/i

Neste, que vai referenciado no presente comentário encontrará temática diversa, entre as quais, sobre problemas do foro neurológico, cardio vascular, etc.

Como considero a sua temática bastante importante, coloquei um link para o seu Blog no:

http://lusomerlin.blogspot.com

Fraternas Saudações,


Fernando
(http://lusomerlin.blogspot.com/)
(mailto:ftcb@netcabo.pt)
De Anónimo a 11 de Setembro de 2004 às 21:55
Algarvio

Obrigado pelo comentário. Fui estudar o assunto e constatei que realmente não existe correlação provada entre a carga viral elevada e danos hepáticos. Gostaria de frizar também que as transaminases costumam variar bastante mesmo num único indivíduo, quando contaminado pelo HCV. Um ou outro exame com transaminases elevada não é conclusório. Como disseste, e bem, é preciso que este facto seja persistente para exigir uma nova avaliação que leve à interrupção do tratamento.

Boa também a tua referência ao Hospital de Santa Maria. Como o nosso amigo do e-mail dizia que era do Brasil, imaginei que acedera de lá, por isso falei no tal site. Mas, pode ser que ele seja um imigrante, como eu.

Como vê a tua participação teve dupla utilidade. Volte sempre!

Valneto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 11 de Setembro de 2004 às 18:54
A tua carga viral é elevada. Não existe uma relação directa da carga viral e os danos no fígado; existem indivíduos com cargar virais baixas e o orgão muito inflamado e vice versa.
É importante saber mensalmente os valores das transaminases (TGP/TGP), GamaGT. Segundo especialistas mundiais não é recomendável o tratamento com interferão e ribavirina a indivíduos com as transaminases persistentemente normais. Não sou médico. Aconselho-o que seja acompanhado por especialistas: O prof. Fernando Ramalho e Dra. Estela Monteiro, do departamento de gastro do Hospital de Stª Maria, em Lisboa, estão entre melhores hepatologistas a nivel nacional. Entretanto tenha uma atitude positiva e uma alimentação saudável: retire tudo quanto conseguir de gorduras animais, carnes vermelhas e alcool NADA, NADA.
Existem muitos e bons sites na Net para o ajudarem.


Algarvio
</a>
(mailto:isickull@hotmail.com)

Comentar post