Sexta-feira, 30 de Julho de 2004

APRICOT - Tratamento da co-infecção HIV/HCV

Fonte : Grupo Otimismo - Brasil - www.hepato.com

Acaba de ser publicado no New England Journal of Medicine o estudo chamado de
APRICOT demonstrando a eficácia do Interferon Peguilado PEGASYS no tratamento
de pacientes co-infectados com HIV/SIDA e hepatite C.

O estudo confirma que com o tratamento de PEGASYS e Ribavirina, 40% dos
co-infectados HIV/HCV conseguem a cura da hepatite C. Os contaminados com o
genótipo 1 obtiveram 29% de sucesso e quando a infecção é com os genótipos 2 e
3 a chance de cura chega a 62%.

Isto é uma esperança espectacular para os co-infectados HIV/HCV, pois com o
interferon convencional as chances de cura praticamente não existiam.

A publicação do estudo APRICOT (13 páginas em inglês) pode ser solicitada por
quem estiver interessado, simplesmente nos enviando um e-mail demonstrando o
interesse em receber o artigo.

Para poder receber o artigo é necessário que seu computador tenha instalado o
leitor de arquivos PDF chamado Acrobat Reader. Este leitor de arquivos PDF
pode ser baixado gratuitamente da Internet no endereço
http://www.adobe.com/products/acrobat/readstep2.html
publicado por ValNeto às 10:26

link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Anónimo a 22 de Dezembro de 2004 às 00:37
Testeteste
</a>
(mailto:teste@sapo.pt)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2004 às 11:27
Sinceramente não tenho informação consistente sobre esta matéria ( reprodução medicamente assistida ). Vou procurar me informar melhor sobre o assunto.

No que diz respeito às relações sexuais e ao risco de contágio vou tecer alguns comentários e me arrisco mesmo a deixar alguns conselhos:

1º - Honestidade para consigo mesmo e para com o parceiro. É uma decisão que tem que ser tomada a dois. No meu caso, fomos eu e a minha parceira a uma consulta com a minha médica e para além disso procuramos pesquisar toda a informação disponível.

2º - Chegamos à conclusão ( eu, a parceira e a médica ) de que não havia necessidade da utilização do preservativo pois tínhamos ambos hábitos sexuais monogamicos e não praticamos o chamado sexo violento ou mesmo o sexo anal. Passamos a ter cuidados especiais com o período menstrual dela, com as chamadas gengivites, partilha de escovas de dente, tesouras de unha, aparelhos de barbear e tudo o mais que pudesse envolver o contágio pelo sangue.Obviamente fizemos o despiste ( ela e eu ) de todas as doenças sexualmente transmissíveis, antes de dispensarmos a utilização do preservativo. Esta é pois uma decisão que cabe ao casal.

3º - O assunto é realmente delicado. Muitos parceiros ( seja por má-informação, preconceito, etc...) têm dificuldade em compreender o facto de que o outro esteja contaminado com uma doença que é associada ( indevidamente ) a comportamentos de risco. Conheço casos de portadores que escondem o facto de serem portadores com receio de não serem devidamente compreendidos. Há muitos casos em que a relação vai simplesmente por água a baixo. O próprio tratamento convencional ( interferão peguillado + ribavirina ) muitas vezes dificulta muito as relações, sejam elas íntimas, sociais ou profissionais. Muitos portadores em tratamento desfazem o casamento, perdem o emprego, sofrem de isolamento social. Pretendo desenvolver melhor esta questão, que considero de suma importancia, aqui no Blog.Val Neto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2004 às 10:17
Refería-me, mais especificamente, aos "bebés-proveta".
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2004 às 10:14
Obrigado pelas respostas. Com "reprodução medicamente assistida" queria referir-me ao uso da inseminação artificial para casais em que um está infectado e, face à probabilidade não nula de contágio do parceiro, optarem por passar a ter relações sexuais com preservativo. (Desculpe, esta questão das doenças sexualmente transmissíveis é sempre um pouco sensível.)

Há algumas semanas soube-se que os infectados com HIV não tinham esse direito, pelo menos no SNS, mas a SIDA é uma doença com piores perpectivas de cura, mesmo em termos de longevidade e, se bem entendi, o número de infectados com Hepatite C, mesmo sem ter havido comportamentos de risco por parte dos próprios, pode ser bastante elevado.
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2004 às 19:26
Com relação ao segundo comentário,peço desculpas mas não sei o que significa "reprodução medicamente assistida".

Entretanto, informo que o tratamento convencional ( interferão peguilado + ribavirina ) é totalmente subsidiado pelo governo, até o presente momento. Espero que assim continue, pois o custo do tratamento ( cerca de 2.500 Euros por mês ) é extremamente caro e pouquíssimas pessoas teriam condições de suportá-lo.Val Neto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2004 às 17:29
Respondendo à questão da AADVIR:

Vi na televisão e em muitos jornais e revistas a matéria sobre a criação de uma Associação de Apoio aos portadores da hepatite C. Foi feita uma entrevista colectiva, com a presença de Jorge Palma, Zé Pedro ( Xutos ) e o médico Dr. Miguel Raimundo ( Hospital de Santa Maria ). Tentei diversas vezes contacto com o referido médico no hospital e através de um telemóvel que consegui nos serviços do Hospital. Jamais consegui falar com o Dr. Miguel, a despeito de várias mensagens e recados deixados. No Hospital alguns ouviram falar da Associação, mas ninguém sabe informar um telefone ou uma morada. Não sei se a intenção de criar a tal Associação ficou em "águas de bacalhau" ou se os que tencionam ou tencionavam criá-la têm se deparado com algum tipo de dificuldade burocrática.
Se alguém souber como contactar a tal Associação, agradeço imensamente que envie-nos um e-mail com o contacto da mesma.Val Neto
</a>
(mailto:valneto@netcabo.pt)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2004 às 15:31
Ao ver o apelo que fizestes ( permite a liberdade de te tratar por tu) no Abrupto sobre a dificuldade em divulgar este blog, tive a iniciativa de divulgar a morada no meu blog.

Luís
(http://blogx.blogs.sapo.pt)
(mailto:wdsdjsod@ksajd.pt)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2004 às 13:57
Os doentes com hepatite C têm acesso a reprodução medicamente assistida no serviço nacional de saúde? Obrigado.
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2004 às 13:35
Conhece a Associação de Apoio aos Doentes com Hepatites Virais (AADVIR)? http://www.pcd.pt/noticias/ver.php?id=1718

"Entre os seus fundadores, a associação conta com pacientes famosos. Sérgio Godinho, Zé Pedro (Xutos & Pontapés), Jorge Palma, João Gil e Xana (Rádio Macau) esperam, dando a cara, alertar para o risco de certos comportamentos.
"

A criação desta associação foi noticiada na televisão.
</a>
(mailto:)

Comentar post